O capitalismo selvagem já anda com os dias contados no mercado financeiro, mas um novo mercado tem se formado nos últimos anos onde a fé e o amor de uma pessoa podem custar muito dinheiro. Em tempos de hiperpopulação mundial o que isto significa?

Por Saulo Valley – Rio de Janeiro, 21 de Outubro de 2011 – 11:24 GMT-3

"Message" pic by Ron Slattery's (CC)
“Message” pic by Ron Slattery’s (CC)

Quanto vale um sentimento num romance?

Na relação afetiva a cotação começa sempre na escolha dos candidatos a par “romântico”. Ou seria melhor caracterizar como “cliente”?

A moça olha para a marca e o estado de conservação do calçado do rapaz. De baixo para cima e de cima para baixo, ela avalia o possível parceiro. Ela busca informações que a levem a crer que ele possui outros recursos além dos que são visíveis a olho nú. Então decide se aproximar e se insinuar.

O rapaz se aproxima da moça. Já sabe que ela visa sua posses e realizações. Então num papo informal avisa: Tenho dois empregos. Ganho 3 mil reais, tenho casa própria, sou herdeiro de 3 imóveis, tenho carro e moro no bairro nobre fulano de tal. Quer ficar comigo?

Então os parceiros mais ricos são mais propensos a ter maior número de parceiras “apaixonadas” em sua cola, o que se mostra uma revolução da formação de uma “família/empresa”?

Quanto vale o amor de um filho?

My first ride! foto by "Piulet"
My first ride! foto by “Piulet”

Há alguns meses perdi um grande amigo. Ele faleceu após um ataque arrasador de AVC. Analisando as razões para sua crise repentina, descobri que seus filhos brigavam para retirar tudo o que ele possuia quando ainda estava vivo, inclusive apartamento que morava e o automóvel que usava para trabalhar. Quando foi acometido da sua primeira e derradeira crise de AVC, o idoso ficou internado em estado grave num hospital. 30 dias depois foi levado para casa de uma família de amigos que o sustentaram até o dia de sua morte, cerca de 3 meses depois sem ter se recuperado do Acidente Cardiovascular Cerebral.

Na mesma semana que foi enterrado, seus filhos venderam seu carro e instalaram uma placa de venda em seu apartamento. Até o momento de sua morte, este senhor de 75 anos vivia por esforço próprio. Apesar de aposentado trabalhava duro para ganhar seus menos de 3 salários mínimos para, em fim pagar suas contas domésticas e comprar seus muitos remédios para osteoporose e pressão. Trabalhava duro na construção civil… Seus 3 filhos muito bem-sucedidos ganham ainda juntos quase 25 mil por mês sem que enviassem qualquer ajuda para o pai.

Este exemplo real não se constitui uma novidade hoje em dia. Normalmente os familiares negociam os bens dos parentes mortos ainda no velório. Já está ficando difícil chamar algum idoso falecido de “ente querido”!

O que é necessário para garantir que nossos filhos nos amem acima do nosso próprio valor de mercado, ou acima de nossas posses?

Quanto vale uma amizade “sincera”?

Este comportamento não é só encontrado no quesito relacionamento afetivo e familiar. Os amigos também buscam se aproximar dos mais afortunados e populares. Isto sempre aconteceu na sociedade, mas hoje em dia o poder financeiro ganhou o primeiro lugar na conquista de uma certa relação de fidelidade e simpatia entre amigos. Quem paga a conta do bar?

Pessoas que são ajudadas financeiramente pelos amigos em melhores condições financeiras, estão aprendendo a ser mais fiéis (pelo menos enquanto dura a ajuda).  Pois é. Mostrar para todos que se tem uma amizade afortunada é uma forma popular de manter um status e garantir um pouco de fama no meio que se vive.

A nova sociedade capitalista selvagem, visa as posses como referencial. Respeito que é facilmente garantido pelos resultados numéricos e estatísticos de cada pessoa. Suas realizações precisam ser avaliadas em gráficos do tipo “pizza”, normalmente usados para representar dados financeiros ou projeções de mercado.

Quanto custa um milagre?

A fé antes era marcada pela persistência. Definida como “a capacidade de se acreditar em algo invisível mas que se espera firmemente” pela Bíblia Sagrada. O livro santo da comunidade cristã no mundo.

Mas o capitalismo entrou na maioria das comunidades religiosas e a sua fé tornou-se melhor avaliada quando a proporção de seus ofertórios pode ser medida em doações com valores pré-estipulados pela autoridade religiosa proponente.

Quantos podem doar 50 Mil?” – Num grupo de 3000 religiosos numa mesma reunião, os que conseguirão cobrir o desafio certamente não chegarão a 20. Estes que o fizerem, subirão para um patamar especial no meio que congrega, tornando-se uma espécie  de “doadores de elite”. Estes serão vistos e tratados pelos líderes religiosos com atendimento personalizado e as orações realizadas em seu favor serão mais fervorosas e persistentes. Estes ainda deverão entrar para o rol de amigos pessoais da liderança, caso não conquistem um alto cargo também.

Lá em baixo da escala da fé, os doadores de pequenos valores normalmente abaixo dos 10 reais. Estes são vistos e tratados com atendimento genérico. São vistos como um todo e para que suas necessidades sejam ouvidas precisarão visitar o templo em longas e repetitivas campanhas (sessões) que serão sempre confirmadas com suas indispensáveis doações, para que suas petições sejam aceitas no lugar celestial. Estes frequentarão extensas filas para falar com algumas das autoridades menores. Auxiliares assalariados que farão orações/preces não tão fervorosas quanto as que poderiam ter sido feitas pela autoridade suprema da comunidade reunida.

Tirando a necessidade de todo ser humano de ser cercado por pessoas que o amam, que gostam de sua companhia, ele ainda precisa atender as mesmas exigências no mercado de trabalho e nos estudos.

Resultados em números. Resultados que possam ser representados por gráficos e escalas que demonstrem o desempenho individual financeiro de cada pessoa. Este será comparado com outras pessoas para avaliar quem deverá ter mais direitos, quando o assunto for amor, fé, amizade, fidelidade, sinceridade, oportunidade, credibilidade, confiança, respeito e admiração.

No meu ponto de vista, o mercado financeiro anda percebendo que ao invés de ser selvagem, ele deve dar meios para que o consumidor seja estável para consumir sempre. De forma sustentável. O que mantém o mercado equilibrado em tempo de stresse como a crise global pela qual todos atravessam hoje.

"sem titulo" pic by Piulet (CC)
“sem titulo” pic by Piulet (CC)

No relacionamento, este conceito ainda vai durar uns 5 anos, no máximo, até que as pessoas percebam que valores não representam uma vida feliz. Tabelas, gráficos e estatísticas em números não são capazes de comprar o produto etéreo anunciado pelos pretendentes. Mesmo quando conseguem atrair bons resultados, eles são muito temporários e podem durar no máximo entre 5 e 10 anos e seus efeitos colaterais normalmente serão arrazadores!

No fim, os pagantes ficarão pobres, esquecidos, desmoralizados, isolados e fatalmente ultrapassados, já que com a volatilidade do mercado financeiro real, quase ninguém consegue manter o mesmo auge até o fim da vida.

…E se conseguir, verá que lutou por nada. Deu tudo de si para garantir que abutres vorazes comam sua própria carne em detrimento de sua infinita carência.

Anúncios