>

A exemplo do que ocorreu no início do mês, mais exatamente no dia 09 de Março, quando uma sequência interminável de tremores acima de 6.0 começou a se repetir por várias dezenas de vezes num único dia, e assim se repetindo nos dias seguintes, até que ocorreu o mais poderoso dos tremores no dia 11 com 9,0 de magnitude.

Este padrão é um alerta de hiperatividade sísmica. Ontem por volta das 20h00 um tremor de categoria 6,5, mas com profundidade de 5,3 quilômetros provocou um alerta de tsunami, anunciado pela Guarda Costeira e pelo Serviço de Meteorologia do Japão.

Hoje os tremores continuam se repetindo, e as profundidades têm sido variadas. As últimas registradas estão na casa dos 17 quilômetros.

Fukushima

A contaminação de alevadíssimo grau da água de resfriamento do núcleo anunciada em 10.000 foi anunciada como reparada, ontem à noite. Segundo a empresa “NISA” de energia atômica, o funcionário havia errado no cálculo, e que 10 Milhões de vezes seriam encontrados em qualquer reator normal.

Por outro lado, a empresa não corrigiu o anúncio de mais de 1000 millisieverts por hora.
“O nível de radiação é maior do que 1.000 millisieverts. É certo que se trata de fissão atômica”, Hidehiko Nisa Nishiyama, em entrevista coletiva na manhã. “Mas não temos certeza de como ele veio do reator.” – informou “JapanTimes”.


Segundo a autoridade supõe os componentes vitais do reator, o seu núcleo e a parte de contenção, provavelmente permanecem intactos, mas a água radioativa deve estar infiltrada dentro de tubos e válvulas danificados.

Hospital

3 funcionários da TEPCO encontram-se internados no hospital NIRS devido a alta exposição à radiação. A exposição permitida em 1 ano, agora tem afetado o ar em menos de 15 minutos, o que pode ser mortal daí pra frente.

Água contaminada

A TEPCO informou que todas as usinas possuem um poço(ou porões) de desvio do excesso da água dos reatores e estes reservatórios ficam próximos ao oceano.

Ela informou que nestes tanques foram medidas as radiações e encontrado mais de 1000 mSv / h na superfície do tanque de Fukushima 1. Em fukushima 3 e 4 os níveis não foram possíveis de se detectar devido aos entulhos da destruição causada pelo terremoto do dia 11.

Oceano

Uma medição da radioatividade no oceano, próximo a Fukushima 1 apresentou contaminação por Iodo radioativo 131 em 1150 vezes acima do permitido, sendo que no dia anterior estava em 314 vezes.

Já na saída principal, no portão sul de Fukushima 1 ao 4, foi detectado contaminação por Iodo radioativo 131 em 1850 vezes acima dos níveis encontrados na água do mar coletada no dia 26.

No esforço de descontaminar o mar, muitos trabalhadores foram desviados. Estes que antes estavam concentrados no resfriamento das barras de combustível irradiado e nos vazamentos de água contaminada nos reatores.

Por motivo da crise, o nível de exposição máximo permitido aos trabalhadores será de 250 millisieverts por hora.

Segundo o “JapanTimes”, a TEPCO informou que fará um relatório sobre a situação do Plutônio em torno dos reatores. Este assunto tem sido evitado pelas autoridades e mídias locais. Mas tem sido motivo da maior tensão internacional. Mas a TEPCO avisou que vai demorar alguns dias para preparar este informe.


Atualização – 18h17 min


Hoje à tarde, a TEPCO informou ter encontrado Plutônio na água do mar perto de Fukushima 2. A notícia veio pela Aljazeera que informou que:

 “As amostras foram tomadas na semana passada, mas os níveis não representam um risco para a saúde humana, disse Sakae Muto, vice-presidente da Tepco.” –Aljazeera.

Em algumas mídias internacionais, a crise nuclear japonesa já é descrita como “crise mundial”.

TV Japonesa anuncia o número de 27.000 mortos vítimas do terremoto e do tsunami.

Anúncios