>

Fonte: healthcarepackaging

Foi numa pesquisa política que encontrei um esclarecimento mais detalhado sobre as armas químico-biológicas criadas pelos exércitos de todo o planeta.


Saulo Valley – Rio de Janeiro, 28 de Março de 2011 – 13h30min.

Quem elaborou este estudo, não se identificou, mas postou em nome do Conselho de Segurança do Exército Egípcio no facebook oficial. Me empolguei e enriqueci o estudo. Espero que seja útil.

Embora eu tivesse sido militar, nunca havia encontrado uma lista tão esclarecedora, e que até confirmam as informações que já passei em postagens anteriores sobre gripes e doenças fabricadas para aumentar as vendas de um determinado produto de farmácia.

É impressionante como o nome dos  Estados Unidos aparece em todos os genocídios e massacres da história, por utilizar força atuante ou por manter a informação sigilosa.

O Japão vive dias de cão, com suas 3 catástrofes seguidas em menos de uma semana, e ainda uma delas, o vazamento de radiação de Fukushima, vem assombrando a vida da população restante às tragédias de 11 de Março.

A gente sempre sofre muito com o que tem ocorrido ao povo japonês e não entende porque tantas catástrofes seguidas e tão impiedosas. Mas líderes Japoneses também já causaram muito sofrimento…

“731 Unit” – Fonte: pbs.org

Armas Biológicas

Entre 1937 e 1945, durante a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Sino-japonesa, uma equipe de cientistas se uniu aos militares do exército imperial japonês para formar uma organização secreta (não é lenda) a fim de criar as mais letais armas químicas e biológicas do mundo da época.

Esta organização recebeu o nome de “Unidade 731“. Este segredo foi mantido por longas datas pelo Governo Americano e o próprio Japão.

(A imagem acima mostra supostamente cientistas japoneses a infectar patógenos nos ratos.) – “pbs.org”

Apenas em 1989 é que diversos cadáveres foram encontrados enterrados sob o chão de Tókio por operários. O crescente volume de corpos encontrados acabou trazendo à tona a existência desta organização maligna que criava armas biológicas e utilizava humanos para testes. Segundo o próprio governo, as cobaias eram soldados norte-americanos presos em operações de guerra pelo General-médico Shiro Ishii, enquadrado do termo em latim: “Hostis Hiumanis Guinness” (inimigo de toda a humanidade).

Dá até pra acreditar que as acusações contra Hitler eram para impedir que as experiências do Japão fossem descobertas, e as mortes poderiam ter sido atribuídas ao ditador nazista.

O próprio Exército Imperial Japonês reconheceu oficialmente esta organização como importante Laboratório de Pesquisa Militar, depois que não puderam mais esconder as provas.

Desde então, as armas biológicas continuam sendo o maior pesadelo da humanidade.
O Exército Egípcio atribui à “Unidade 731“, os vestígios que se tem encontrado até os dias de hoje.

Dentre os vírus mais usados estão em mutações genéticas:


 V1. Vírus Chikenjnia

V2. Imorhadjiyk vírus da febre do Congo – generosa

Conselho Militar no Facebook

V3. O vírus da dengue

V4. Vírus cavalo encefalite Leste

V5. vírus Ebola

V6. vírus Hantaan

V7. vírus da Janine

V8. vírus de Lassa

V9. Vírus Alichorummenyncetis rolamentos de esferas da linfa

V10. Vírus Machbo

V11. vírus de Marburg

V12. Macaco vírus da varíola

V13. Vale do vírus da febre

V14. vírus da Encefalite


V15. vírus da varíola


Além destes não foram mencionados pelo exército egípcio os vírus da peste bulbônica, Antraz, Tifóide e cólera. Cerca de 10 Mil chineses morreram vítimas de ataques por bombas biológicas japonesas. 

General-médico Shiro Ishii

O site “PBS” é especializado em “bio-farmacologia” e história geral e conta alguns detalhes históricos como, por exemplo, que:

“Nas ativas campanhas militares, centenas de milhares de pessoas, principalmente chineses, foram vítimas. Em outubro de 1940, os japoneses jogaram sacos de papel cheios de pulgas infestadas de peste sobre as cidades de Ningbo e Quzhou na província de Zhejiang, bem como introduziram ratos infestados de praga.

Outros ataques envolveram a contaminação de poços  e distribuição de alimentos envenenados. O exército japonês nunca conseguiu, porém, a produção de avançados munições biológicas, tais como bombas municiada com patógenos.

Como os dirigentes da “Unidade 731” visualizaram a derrota do Japão no horizonte, eles queimaram os seus registros, destruíram as suas instalações, e fugiu para Tóquio. Mais tarde, nas mãos das forças dos EUA, que intermediaram um acordo, oferecendo detalhes de seu trabalho em troca de imunidade a processos por crimes de guerra. 

Até o final da Segunda Guerra Mundial, os americanos e os soviéticos foram muito bem em seus próprios caminhos no desenvolvimento de armas biológicas”.

A verdade é que quase tudo de bom e de ruim que restou das guerras, hoje em dia é utilizado no dia-a-dia por meio de adaptações e novas embalagens.


Até as empresa que fabricavam armas, carros, aviões e outros materiais essênciais para a logística da guerra, hoje fabricam produtos essênciais para a vida doméstica, como a GE, Siemens, BMW e muitas outras. Muitas da área farmacêutica de hoje, atuavam nestes laboratórios de armas químicas e biológicas das guerras.


Com o início da Guerra Fria, elas mudaram os produtos mas muita coisa ainda serve de base para suas estratégias de mercado.

Fonte: cidademarketing

Uma prova disto é o Laboratório “Pfizer” que fez recentemente ( a partir de uma combinação de gripes) um vírus modificado genéticamente ficar exatamente parecido com o vírus HIV, tendo testado em aldeias da Nigéria e sido processado pela Organização Mundial da Saúde em mais de 3,3 Bilhões de dólares pela morte de 11 pessoas em 1996.


Em 2005 o Laboratório Pfizer voltou a ser processado em 2,3 Bi de dólares por negócios fraudulentos pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. #Ler

Anúncios