>

A fim de solucionar o conflito de segurança em torno do conflito da Líbia, o Presidente americano Barak Obama negociou com a França e a Grã-Bretanha a transferência da liderança política da operação “A Odisséia do Amanhecer” para a OTAN/NATO.


Por Saulo Valley – Rio de Janeiro, 23 de Março de 2011 – 08h45min.

Segundo o Guardian, o acordo entre os países via telefone, contrariou principalmente, a Nicolas Sarkozy, que queria diminuir o papel da OTAN na operação.

O comando da imposição da “Zona de Embargo Aéreo” de 1973 que foi imputado pelo Conselho de Segurança da ONU contra o massacre de civis, agora tem a participação de países Árabes como os Emirados Árabes Unidos e o Qatar. Este comando extendido terá os EUA, França e Grã-Bretanha entre os executores da lei e das determinações do conselho.

Para que a transferência de comando seja oficializada, o acordo deverá ser apresentado formalmente aos 28 membros da OTAN.

Conflito – Kadafi desafia Forças Internacionais.

Enquanto isto caças americanos bombardearam intensamente aos alvos militares em Trípoli enquanto Kadafi perseguia os Rebeldes em Benghazi, Ajdabiya e Misurata.

Kadafi que estava sumido, provou que se refugiava em Trípoli ontem, quando fez uma nova entrevista para a TV Estatal em discurso em frente a sua residência em Azizia Bab.

Segndo o “swissinfo”, ele pediu o reforço da segurança em sua residência e disparou:

“Eu não tenho medo das tempestades que varreram a longa… de destruição visando petróleo (Iraque), eu estou aqui em minha casa na minha barraca, eu tenho certeza que eu sou o dono da disputa mesmo, eu estou aqui.”
Em desafio da coalizão internacional “, Gaddafi disse que estava pronto para a batalha tanto ” a curto ou longo prazo “, acrescentando que” vamos vencer!”.

A Aljazeera informou que Hussein Gibran, um do comandantes militares mais importantes do sistema, morreu num combate feroz nos arredores de Trípoli juntamente com mais 9 pessoas.

Aljazeera informou também que Al-Kadafi atacou Misurata com tanques de bombardeio matando diversos civis. Cerca de 40 pessoas foram mortas (segunda) pelos ataques pró-Kadafi, dentre elas 4 crianças de uma mesma família. Swissinfo confirmou os dados e acrescentou que rebeldes avisaram que mais de 300 pessoas foram feridas.

Hillary Clinton respondeu aos comentários da morte do filho de Kadafi dizendo: “Eu ouvi isto mas não posso revelar a fonte.” Ela defendeu – Ainda não foram apresentadas provas suficientes e que mesmo que confirmada, esta morte não pode ser atribuída aos ataques americanos.

Várias fontes confirmaram um grande número de civis mortos e feridos a partir de Trípoli, Sirte, Misurata e a cidade de Sabha, ao sul. Kadafi tem desafiado as forças internacionais e vem atacando a população com grande impiedade.

Anúncios