>


Desde o início têm-se notado uma série de deslizes nas informações dos detalhes dos problemas que têm ocorrido na Usina de Fukushima. Desde o Tsunami, é que a administração da Daiichi Nuclear Eletric Power, tem buscado apresentar informações superficiais e que minimizem os riscos. Poucas horas depois, o mundo parece desabar.

Por Saulo Valley – Rio de Janeiro, 14 de Março de 2011 – 21h55min. Atualização:15 – 03 – 2011 06h30min.

A verdade que sei desde ontem, é que a água do mar não está resfriando os tanques e que novos rompimentos, vazamentos e explosões estão ocorrendo e vão continuar a ocorrer se esta usina não sofrer uma séria intervenção.

No portão principal de Fukushima 1 foi detectada uma porcentagem razoável de microsievert 1942. Como a administração da usina vive minimizando os problemas, não há como as autoridades reagirem à altura. Nem mesmo o poder público tem noção do que está ocorrendo.

Apenas os funcionários da empresa sabem o que qualquer japonês já sabe. Tudo não passa de paliativo e estes curativos não podem suportar a pressão. Apenas substituindo as peças seria possível corrigir o problema.

Praticamente recomeçar do zero, o que não é possível. Mesmo desativando a usina, os riscos de explosão são cada vez mais iminentes.

Não estamos falando de acidentes de trânsito. Estamos falando da explosão de diversas partes de uma usina nuclear e a empresa concessionária deveria ter mais responsabilidade ao informar às autoridades.

É certo que não se  pode causar pânico, mas suavizar o problema, ou atrasar as informações até o limite, pode pôr 100% do Japão em risco.

Pela enrolação, dá pra ter certeza que a situação é muito mais grave que tem sido noticiado, mas vamos esperar pra ver.

Helicóptero contaminado por radiação no Japão.

Hoje (14 de Março) a equipe americana de 17 profissionais que trabalhava no US Ronald Reagan à bordo de um helicóptero para ajudar no resgate de pessoas, foi surpreendida com a detecção perigosa de radiação em todo o grupo, inclusive o helicóptero!

Segundo a Marinha Americana, uma nuvem radioativa está pairando sobre a região de Fukushima e os navios precisaram ser remanejados para uma área mais segura.

Como a contaminação era de baixo nível, a infecção ela foi removida simplesmente com água e sabão, conforma as autoridades militares americanas informaram.

A verdade é que muitas informações estão chegando a nós, por causa do jornalismo investigativo. Sem estes profissionais que buscam a informação por inúmeras vias e fontes, jamais saberíamos a verdade sobre Fukushima 1, 2 e 3.

Atualização:15-03-2011 06h30min.


O Ministério dos transportes anunciou a proibição do espaço aéreo sobre a usina de Fukushima, logo depois da explosão. O raio de isolamento aéreo está estipulado em 30 km em torno da usina Fukushima, e a zona de exclusão (no-fly zone) independe da altitude. Segundo a agência japonesa Asahi, esta proibição é sem precedentes no país.


 O anúncio foi feito praticamente em paralelo com o anúncio por parte da concessionária Eletric Poweer de que o incêndio na usina nº 4 havia sido controlado (como venho dizendo).

Reuters

A Reuters informou que a última explosão ocorreu hoje dia 15, às 06h00 (local), num prédio de 5 andares. Em contato com funcionários da empresa TEPCO, a Reuters teve a seguinte informação: “não se pode descartar a possibilidade de explosão do hidrogênio”, falando sobre a usina nº4.


Ao mesmo tempo às 12:00 do Japão ocorria uma nova explosão na usina nº2 e as autoridades informaram que a explosão era independente.

Nova contaminação:


Mais tarde, numa conferência de imprensa que aconteceu agora à pouco, foi informado que foi detectado cerca de 400 mSv de radiação por hora, nas proximidades da Usina Nuclear Daichii Fukushima nº3.


Uma explosão de hidrogênio espalhou destroços no prédio da unidade 3 e a causa está ligada à piscina de combustível irradiado.

Enquanto isso chove e neva no nordeste do país. O serviço de meteorologia informou que o até amanhã a temperatura cairá e o clima será “severamente frio”.


Segundo o Asahi informou, no Nordeste do Japão, a noite será de muita neve.


E que uma “ampla gama de neve pode se acumular em áreas mais atingidas do litoral”.


O volume de neve previsto para amanhã está em torno de 25 cm às margens do Oceano Pacífico.


A tendência é que até chegar nas planícies do Sul ela chegue a 5 cm. Está sendo  esperado um volume de neve entre 30 cm a 40 cm no Mar do Japão.


 A força do vento, de até 10 metros no norte do Oceano Pacífico os ventos vindo do oeste, tanto do Oceano Pacífico no sul até 14 metros. Até 12 metros ao longo do Mar do Japão. 


A temperatura provavelmente chegará a 0 entre hoje e amanhã (16).

Anúncios