>

O julgamento aconteceu hoje presidido pelo Chanceler Awad Makram por decisão do Procurador-Geral, Dr. Abdel Meguid Mahmoud para que se seguisse com o bloqueio dos bens da família Mubarak, do Egito.


Por Saulo Valley – Rio de Janeiro, 08 de Março de 2011 – 12h41min

No início da sessão, teve-se notícia do não-comparecimento dos advogados de defesa do ex-líder e sua família. Após uma tentativa de última hora para encontrar um defensor para a família, o Dr. Mohamed advogado Hamouda aceitou o desafio, apesar de não ter tido nenhum tempo para preparar sua defesa dentro dos padrões legais.

Um força-tarefa foi organizada para detectar todas as contas bancárias secretas de Mubarak e família no território do Egito. Estas contas serão anexadas ao processo e tornadas públicas.

Dentre as contas encontradas até agora, uma chamou a atenção da justiça do Cairo:

“Uma conta em nome da Biblioteca de Alexandria ao Banco Nacional do Egito Branch Heliópolis, com saldo de 145 milhões dólares EUA e Susan (a esposa do ex-presidente) estava agindo com seus próprios recursos nessa conta.
 

 Em destaque o fato de tais fundos serem parte de uma concessão de introdução européia e internacional para a Biblioteca de Alexandria, e Mubarak fez uma procuração para a sua esposa para movimentar tais fundos, sem referência ou nota para Ismail Serageldin, diretor da biblioteca. Mesmo levando em conta seu direito inerente de assinar quaisquer documentos financeiros relativos a essas contas, salientando que as ações de senhora Suzanne Mubarak, sobre a conta é uma violação das leis e regulamentos no país.


 Incluída decisão do Tribunal Penal contra o ex-presidente Hosni Mubarak e sua família (sua esposa, Susan, em favor do fixo e seus dois filhos, Alaa e Gamal, suas esposas empresa Heidi e beleza Khadija e seus filhos e menores) todos os bens seus móveis e imóveis e dinheiro, ações, títulos e valores mobiliários diversos bancos e empresas e outros.

Por seu lado, os promotores pediram ao tribunal confirmar a decisão do Procurador-Geral para impedir que o ex-presidente e sua família possam movimentar temporariamente todo o seu dinheiro, com base no que é provado nas investigações em curso sobre a disponibilidade de elementos suficientes e graves acusações sobre seu assalto ao dinheiro público e lucro ilegalmente e violação da lei, abuso de poder no riqueza ganho ilícito e ilegal e inflação.” – Informo o Egy.News.net.

Anúncios