>

Anders Fogh Rasmussen, O secretário geral da OTAN, advertiu a Muammar Kadafi que se ele continuar atacando os civis, receberá uma resposta internacional.

Por Saulo Valley – Rio de Janeiro, 07 de Março de 2011 – 14h15min.

Por outro lado, Kadafi continua insistindo que o ocidente está recebendo uma informação distorcida sobre os fatos que têm levado a Líbia ao seu 18 dia de conflito armado.

“A OTAN não tem qualquer intenção de intervir, mas a segurança como uma organização é o nosso dever de fazer um planejamento prudente para qualquer eventualidade”, disse Rasmussen em entrevista coletiva.

Os oficiais militares da NATO estão desenvolvendo estratégias para possível operação na região.

“Nós devemos estar prontos para agir rapidamente”, mas até agora “ainda não recebemos qualquer indicação de que o nosso apoio seja necessário”, disse ele.

De acordo com Rasmussen este tipo de ação requer uma “ampla gama de meios militares”, e lembrou que a resolução sobre a Líbia, aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU não prevê o uso da força, até o momento.

Rasmussen falou que o ataque a civis seria algo que despertaria a necessidade de uma ação militar internacional, ressaltando:

“Muitas pessoas ao redor do mundo serão tentadas a dizer: ” faça alguma coisa para parar este massacre!”, disse ele.

Mas a possibilidade de intervenção militar internacional também pode criar certa sensibilidade na região, fazendo com que a ação seja interpretada “como um ataque ocidental a um país árabe”.
Nesta base, Rasmussen destaca a necessidade do diálogo com organizações como a Liga Árabe e da União Africana – Noticias365.com

Anúncios