>

Obra nos esgotos na Orla da Praia Dona Luíza

Por Saulo Valley – Sepetiba/RJ, 29 de Janeiro de 2011 – 16h09min. – Fotos por Saulo Valley .
Atualização: 19h09min.

O bairro está com uma cara horrível! Sabe quando você resolve quebrar a casatoda pra reformar de uma vez? Pois é: Sepetiba está que é poeira pura! Parecendomais um bairro rural.

Obra de restauração da Orla da Praia de Sepetiba

 Em contrapartida, os poucos metros que se vê de areia limpa, como resultadodo processo de recuperação e restauração da orla e da baía de Sepetiba, jáfazem a gente imaginar que ali será uma “Ipanema sem ondas” (se aágua realmente for despoluída).

A restauração desta região tem um grande significado. Primeiro que éaguardada há décadas, segundo que nem o planeta nem a população têm culpa seempresas falidas (que deveriam ser monitoradas pelo governo) eliminam seu lixoquímico na natureza.  Para nós, é um refresco pra alma ver aquela obraseguindo.


Pena que com os novos rumos do Governo, após a eleição de Dilma à presidência,isto possa mudar.

Segundo as agências de notícias, os gastos do governo com as obras do PAC,vão ser cortados em pelo menos em 20%, eu ainda acho que podem chegar a 50%, e as regiões onde os investimentos serão mais urgentes é que ficarão com maior parte do “bolo”, fatalmente Sepetiba não será este lugar!

Nova areia da margem

Até onde se pode ver, vai dar praia, mas acho difícil esta obra chegar nas Praias Dona Luíza, Cardo,  Brisa e Pedra de Guaratiba. Preciso queme provem o contrário.

A área é bem, extensa e a obra duraria por muitos anos. Mas quando me lembro de obras de re-urbanização que a prefeitura aparece, cria uma pracinha muito mal feita, com material que dilui na chuva… Depois crescem as moitas de capim e a Comlurb leva anos para ir ao local. Acaba parecendo um lugar fantasma.

Vala negra – O único caminho dos pescadores até a baía

FOTO: Pescadores precisam caminhar pelo esgoto, enquanto empurram seus barcos até local onde seja possível remar. É um longo trecho de lama contaminada e esgoto a céu aberto que desemboca na praia. Contando é difícil de se imaginar, mas  a lama chega aos joelhos e só com muita vontade (necessidade) de pescar é que conseguem levar o barco para a água.


Enquanto a baía não recebe finalmente a despoluição,  pais e filhos mergulham na mais elevada poluição, para refrescar seus corpos aquecidos pelo intenso calor. E é justamente o calor, que faz muitas bactérias se reproduzirem em velocidade incalculável, até. Determinados a enfrentar os riscos para conseguir oferecer algum entretenimento para seus filhos, eles se aventuram e se lançam à sorte. Como não termo mínimo de respeito às suas próprias vidas, o Governo precisa ter por eles e oferecer meios de se banharem em águas despoluídas, pra não precisar gastar três vezes mais com os postos de saúde, PAMs, UPAs etc.

Praia Dona Luíza

FOTO: Praia Dona Luíza: Atolada na lama, quando não banhada pelos águas contaminadas pelos esgotos despejados na baía há anos, a Santa (Iemanjá) parece ser a guardiã de toda esta sujeira, que aguarda ansiosa, pela chegada da obra de restauração e despoluição.

Esta construção histórica, instalada por pecadores causa adversidades, já que hoje em dia, há menos pescadores e boa parte da população tornou-se de religião cristã.

Aproximando mais, na foto seguinte, pode-se ver a gravidade da situação. O lixo flutuante vem repousar na praia que tem um cheiro insuportável. Se não fosse uma praia carioca, juraria que uma bomba química foi lançada na região, porque os estragos são assustadores!  Na segunda foto, lá em cima, você pode comparar. Esta é a atual realidade de toda a região que não recebeu ou não receberá o benefício da recuperação ambiental.

Mais de 500 pescadores dependem destas águas pra viver, e manter suas famílias. Com o passar do tempo, percebe-se que estão buscando outras ocupações e pescando cada vez menos. Restaurar a cultura destes guerreiros resistentes aos dias maus é uma grande responsabilidade dos Governos.
É doloroso ver e ouvir o que passam. Da falta de peixes para se pescar, á poluição que contamina seus pescados e inutiliza seus heróicos esforços.

Não dá pra acreditar que é aqui que dezenas de adultos e crianças se banham quando a maré sobe, e apresenta suas águas amarronzadas e oleosas!  Mas é aqui que deságuam seus anseios e suas expectativas de voltar e reencontrar o cenário que um dia viram, quando crianças.

Vão permanecer voltando em todos os verões. Organizando excursões e passeios familiares. Banhos de sol e de “mar”. Trazendo seus filhos e despejando oferendas, para que um milagre aconteça e possam voltar a ter suas praias tão essênciais devolvidas à vida e a seus filhos.

É aqui, que todos  os anos, a prefeitura organiza a “festa da virada“. Artistas “menores” vem se apresentar nos palcos desta solidão, e juntos cantam e oram, rezam e pedem para que no ano que virá, um braço forte traga a saúde de volta para a região, desprovida de suas águas, suas areias, seus hospitais, postos de saúde, sua rodoviária, suas estradas, suas escassas tecnologias de comunicação e entretenimento digital.


Provavelmente Sepetiba é o único lugar do Rio de Janeiro que não é favela, e que não tem suporte técnico para a contratação da Internet Banda Larga em quase lugar nenhum, longe da estrada principal! Outros serviços como TV por assinatura e telefonia celular são péssimos. São serviços que se pagam mais do que se utilizam!

SEPETIBA TEM MUITO O QUE SER RECUPERADO! VONTADE POLÍTICA É A FORÇA QUE VAI MOVER OS GOVERNOS E TRAZER A DIGNIDADE PARA ESTA POPULAÇÃO ENTÃO IGNORADA E ESQUECIDA.

Anúncios