Saulo Valley Press

"O Observador do Mundo"

>A UPP E A MENSAGEM DO FUNK

Deixe um comentário

>

No dia 31 de Agosto de 2009, a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, revogou uma lei que regia com severidade, os balies Funks e festas Raves. Com a decisão, o Rítmo FUNK foi tornado *PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO*. Os Deputados (na época) Marcelo Freixo, Paulo Melo e Wagner Montes são os autores desta lei.

Rio de Janeiro, 07 de Janeiro de 2011 – 14h43min.

Por Saulo Valley

Há mais de 10 anos, o rítimo já possuía uma versão underground apelidado popularmente de PROIBIDÃO, que há pouco tempo passou a ser a linguagem oficial do estilo. O Funk já se utilizava de linguagens obscenas além de enviar recados do tráfico para os inimigos e os “vacilões“. Cerca de 11 meses depois, a polícia civil começa a prender e investigar os MCs e Djs mais influentes da música funk. A meta é acabar com a apologia ao crime organizado nas músicas. Os bailes funks são proibidos em todas as comunidades onde estão instaladas as UPPs.

Pergunta: O funk permanece sendo um Patrimônio Cultural da Cidade?

Ok. Com a pressão das polícias para inibir este tipo de comunicação entre o tráfico e a população, só restou um assunto para ser explorado nos funks cariocas:

A PORNOGRAFIA. A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE MENORES COM IDADES PRÓXIMAS DOS 14 ANOS.

Pergunta: O funk permanece sendo um Patrimônio Cultural da Cidade?

*PATRIMÔNIO CULTURAL – DEFINIÇÃO WIKIPÉDIA*.

“Património (português europeu) ou patrimônio (português brasileiro) cultural é o conjunto de todos os bens, materiais ou imateriais, que, pelo seu valor próprio, devam ser considerados de interesse relevante para a permanência e a identidade da cultura de um povo.

O património é a nossa herança do passado, com que vivemos hoje, e que passamos às gerações vindouras.

Do património cultural fazem parte bens imóveis tais como castelos, igrejas, casas, praças, conjuntos urbanos, e ainda locais dotados de expressivo valor para a história, a arqueologia, a paleontologia e a ciência em geral. Nos bens móveis incluem-se, por exemplo, pinturas, esculturas e artesanato. Nos bens imateriais considera-se a literatura, a música, o folclore, a linguagem e os costumes”.

Continuando o raciocínio:
Em outras palavras, a atual música Funk, é o cartão de visitas da Cidade do Rio de Janeiro e REPRESENTA a opinião, o gosto musical, a cultura, os hábitos e o dia-a-dia de TODOS OS CARIOCAS!
Mais uma vez pergunto: 
  1. O funk permanece sendo um Patrimônio Cultural da Cidade?
  2. Será possível proibir a essência do funk e obter conteúdo mais neutro?
  3. A proibição não vai gerar uma nova espécie de música underground e com os mesmos conteúdos?

Autor: Saulo Valley

Jornalista da Web, repórter, escritor, poeta, radialista, cinegrafista, fotógrafo, Videoprodutor, músico, compositor, modelador 3D, Mestre de Kung Fú e instrutor de Boxe Chinês. Os fatos mais atuais sob olhar analítico do "OBSERVADOR DO MUNDO". Acesse Saulo Valley Post in http://paper.li/f-1326286418 ou http://saulovalley.blogspot.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s