Saulo Valley Press

"O Observador do Mundo"

>México recorda os 72 imigrantes massacrados, autoridades e civis mortos pelo crime organizado

Deixe um comentário

>

A Comissão de Direitos Humanos do Distrito Federal (CDHDF) construiu um altar, relembrando o Dia dos Mortos na Cidade do México. A homenagem é para os 72 não identificados e sul-americanos (dentre eles 4 brasileiros), cujos corpos foram encontrados no final de agosto passado, no estado de Tamaulipas, no noroeste.

A velha fazendo fica na fronteira com os Estados Unidos. Nesta casa, foram encontrados os corpos, provávelmente sequestrados e massacrados pelos narco-traficantes Los Zetas.



Lá, eles foram metralhados e descartados sem a menor cerimônia. O crime provocou espanto no mundo inteiro e levantou críticas contra o méxico, na questão do combate ao narco-tráfico.


A região onde a fazendo se encontra instalada, não é habitada e é foco de grandes batalhas entre os cartéis Los Zetas e Golfo.

No dia dos Mortos, o México quer melhor atenção para os direitos humanos e uma solução mais convincente contra o narco-tráfico, que já matou mais de 28 mil desde 2006.

por Saulo Valley



PEDIMOS JUSTIÇA PARA OS MORTOS EM MASSACRES.


Martes 02 de noviembre de 2010 Redacción | El Universal


 Locais públicos e a sede da empresa na capital de Nuevo León, Chihuahua, Sinaloa e Campeche foram iluminadas com altares em honra das vítimas colaterais da guerra contra o tráfico de drogas e outros casos considerados como injustiça social, como é o fato de tragédia das crianças do ABC.

Ontem, a empresa uniu-se a tradição e a indignação com a falta de informação em diferentes casos, consideraram os representantes sociais.

Na capital de Oaxaca, dois altares lembram os mortos em movimentos sociais registrados durante a atual administração, e em Sonora, foi erguido em memória de mais 49 crianças morreram em creches.

Na noite de domingo, centenas de pessoas convidadas através de redes sociais, se reuniram no quiosque Lucila Sabela em Zaragoza, no centro de Monterrey, Nuevo León.

“Unidos pela dor”, um altar construído em memória das vítimas que morreram no estado, após a guerra contra as drogas…

No estado PRI também foram lembrados os prefeitos das Pescas, Rogelio Pérez, e Dr. Gonzalez, Prisciliano Rodríguez Salinas, que morreu no exercício de suas funções: a primeira morte natural e a outra, resultado de de um ataque da guerrilha.

Em Santiago, fez o mesmo aconteceu na praça principal, recordando com incenso, velas e orações para o prefeito Edelmiro Leal Cavazos, executado pelas mãos do crime organizado em agosto.

Traduzido e  adaptado por Saulo Valley


Fonte: http://www.eluniversal.com.mx/primera/35783.html

Anúncios

Autor: Saulo Valley

Jornalista da Web, repórter, escritor, poeta, radialista, cinegrafista, fotógrafo, Videoprodutor, músico, compositor, modelador 3D, Mestre de Kung Fú e instrutor de Boxe Chinês. Os fatos mais atuais sob olhar analítico do "OBSERVADOR DO MUNDO". Acesse Saulo Valley Post in http://paper.li/f-1326286418 ou http://saulovalley.blogspot.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s