>

No primeiro dia após a eleição da primeira Presidenta brasileira Dilma Roussef, o assunto é: “O uso da máquina pública para a sua campanha” – TERRA BRASIL.

“A fabricação da sucessora de Lula” – O GLOBO.

Assim como eu, millhares de brasileiros senten se contra a parede. Obrigados a votar em quem não gostaríamos de votar. Esta coisa de “VOTO CONSCIENTE” é uma grande sacanagem (desculpem o termo) que o governo faz com o eleitor! É como proibir uma pessoa de comer por uma semana e obrigá-la a tomar conta da comida, durante este tempo!

Por causa do VOTO OBRIGATÓRIO, adotamos sempre a estratégia de votar no “menos pior”.

O que não significa que ser eleito pela “maioria dos votos” seja uma conquista legítima. Votamos porque não havia outra possibilidade! Ok, ela já está eleita, agora nos resta fazer o melhor que podemos, como cidadãos e COBRAR DELA e dos DEMAIS ELEITOS, soluções REAIS para o Brasil, e não só propaganda e resultados de pesquisas compradas!

Na visão mundial, depois da surpreendente carreira de LULA (que se esperava um impeachment em poucos meses de governo, a exemplo do ocorrido na Holanda), coroada ainda com 2 mandatos e a melhoria da imagem do país no cenário internacional. A surpresa da Eleição de Dilma está no fato de uma nova quebra de padrões. Depois de um metalúrgico, uma mulher. Isto demonstra para o mundo, que os brasileiros estão buscando acertar e estão apostando nas mudanças.

Quebrar padrões para os eusopeus, por exemplo é um grande desafio. Mas o brasileiro é surpreendentemente adaptável a qualquer tipo de padrão. Agora precisamos seguir em frente. De olho num futuro em que os direitos civis de TODO brasileiro será respeitado, valorizado e potencializado, mesmo que nosso governo fosse tirano.

Saulo Valley

Anúncios